06 a 10 de março de 2021

O Janela e o coletivo Coquevídeo planejaram uma ação para ocorrer em espaço público, durante o período desta edição especial, a partir de imagens produzidas pelo grupo para a ocasião. Queríamos evocar as salas de cinema de rua, a experiência do encontro no centro do Recife, em torno da cidade e das imagens, numa proposta a ser executada com equipamentos especiais trazidos de São Paulo. Foi tudo de antemão pensado com a responsabilidade de não gerar aglomerações, mas marcar a paisagem com uma ideia, com um conjunto de visões e de inspirações concebidas e criadas em conjunto pelo Coquevídeo. Com os rumos que a pandemia tomou nas últimas semanas, compreendemos e concordamos, porém, festival e Coquevídeo, que o plano original acabaria por expor uma pequena equipe num contexto excepcional que requer solidariedade e cuidado absolutos. Assim, deixamos o plano para os meses por vir, novidades virão. Ao mesmo tempo, ganhamos um presente do Coquevídeo que agora compõe estes dias de programação remota do Janela, disponível nesta página. Eles escreveram:

"A nossa mostra, como foi desenhada, é um conjunto de cinco pequenos filmes-intervenção. Todos pensados/adaptados para uma projeção urbana. Fizemos, verdadeiramente, um exercício de pensar essas imagens em relação com a cidade. Por isso, ficamos elucubrando como nos readaptar agora para o formato online, sem ter o som, por exemplo. Não gostaríamos, de forma nenhuma, de perder a oportunidade de compor a programação nesta semana principal do Janela. O vídeo que apelidamos de Vogue estava em processo de finalização quando recebemos o convite do festival. Já havia sido gravado antes da pandemia e, por isso, nele, temos a opção 'com som'. Lançamos o vídeo no Dia da Visibilidade Trans".

Sobre o Coquevídeo:

Frente a uma narrativa hegemônica que lê o Coque como “morada da morte” e que oculta toda sua diversidade e sua produção de arte e conhecimento, incentivar o olhar que vem de dentro da comunidade e as produções artísticas das moradoras e moradores, é fazer nascer um Coque desconhecido por muitos, mas latente nos afetos de quem vive e se forma dentro dele.

Foi entendendo a urgência de impulsionar a formação e difusão de novos olhares de dentro da periferia para o mundo, que em 2019 se iniciou formalmente um curso de formação audiovisual para a juventude do Coque. O projeto foi aprovado pelo 11º Edital do Funcultura Audiovisual, e durante um ano, foi incentivado pelo fundo.

O Coquevídeo - Formação e Experimentação Audiovisual no Coque é uma atuação coletiva fruto de uma articulação que, desde 2006, desenvolve diversas ações em prol da consolidação de um campo de produção de arte e comunicação na comunidade do Coque.

Foram inúmeros encontros, oficinas, exercícios audiovisuais e produções realizadas.

Algumas das nossas obras e ações ganharam repercussão nacional, dentre elas o Brega Protesto, videoclipe realizado em parceria com o coletivo Caranguejo Tabaires Resiste, que venceu o Festcine e atuou politicamente na resistência da comunidade, o videoclipe Poder e Glória e a ação NaPerifa que, em parceria com o Instituto Moreira Salles fomentou a produção de mais de 40 vídeos de realizadorxs periféricos de Pernambuco.

Frente a todas as adversidades que se impõem nas vidas por conta das estruturas de injustiça que organizam a sociedade em que vivemos, seguimos, ensaiando um novo mundo e criando coletivamente obras audiovisuais que fazem parte de nossa resistência e partilham nossas reflexões, sensações e afetos.

EQUIPE

Caioz
Chico Ludermir
Cleiton Barros
Dandara Canuto
Dani Elfa
Dani Yohana
Deusa Ray
Dom
Dondinho
Edilene Barros
EdMcy
Eduarda Laryssa
Eldora
Elyson Santos
Ivich
Ivo Aguiar
Ivson Laurenço
Junior Araujo
Josinete Maciel de Souza
Julia Oliveira
Kataria Scervino
Laryssa Oliveira
Layane Santos
Lucas Emanuel
Lucax
Maria Réupi
Mariana Cavalcante
Mateus Luciano
Medusa Fernandes
Mekson Dias
Osana Dias
Samara Araújo
Sol de Maria
Star Teayce
Thays Moura
Tiago Hilario